sexta-feira, 20 de maio de 2016

MAIS UMA LOJA DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO EM PIÇARRA

Apesar da crise, alguns empresários continua investindo em setores que aos poucos vem dando sinal de recuperação tendo em vista seu mercado não ter suscitado tanto assim financeiramente. O setor de construção civil não foi tanto afetado e com isso, a crescente construção de casas vem trazendo oportunidades de negócios inclusive abrindo novos depósitos de venda de materiais de construção e elétrica. Em Piçarra, será inaugurada nos próximos dias a GOLD ELÉTRICA, um empreendimento do Grupo Eletrosilva, que ja tem uma loja de móveis e eletrodomésticos em nossa cidade. Prova de que a cidade está crescendo cada vez mais e necessita cada vez mais se estruturar para atender o mercado emergente.

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Funcionários da EMATER/PA se reúnem em Marabá



Mais de 50 Funcionários da EMATER/PA se reuniram ontem no auditório da UEPA em Marabá para discutirem sobre os trabalhos e funcionalidades da Empresa. Na pauta, o ativismo do dia a dia nos escritórios e os diversos problemas existente internamente enfrentados pelos Extensionistas da empresa. Também foram levantadas propostas para sanar os principais problemas e o comprometimento dos empregados públicos dando mais celeridade aos agricultores familiares, publico alvo da empresa. Estavam presentes além do funcionários, representantes da administração Central como Paulo Lobato(Diretor Técnico), Alexandre da Cooper e representante do Presidente da Emater e Cliver, presidente do Sindicato que representa os funcionários da Empresa. Para os servidores o encontro foi de grande importância tendo em vista ter havido um planejamento coletivo onde todos os escritórios da região sudeste paraense estavam presentes, assim a integração proporciona melhores aprendizado, um nivelamento entre os técnicos bem como uma padronização no atendimento aos serviços prestados pela EMATER.

Sessão de hoje na Câmara Municipal de Piçarra promete ser tensa

A pauta da sessão na Câmara Municipal de Piçarra promete ser acirrada hoje, movimentos de dois lados contrários estão convocando participantes a comparecerem hoje para presta solidariedade aos parlamentares envolvidos no processo que corre na casa para verem se ouve ou não caso de decoro parlamentar. Está previsto para hoje a apresentação do parecer favorável do processo de cassação do mandato do vereador Edilson Teixeira e provavelmente a defesa do parlamentar envolvido.

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Prefeitura de Piçarra realizou uma grande festa em homenagem ao dia das mães


 
A Prefeitura Municipal de Piçarra, através da secretaria de Assistência Social, realizou no ultimo sábado dia 07 de maio uma grande comemoração alusiva ao do dia das mães. Em mais um evento grandioso repetindo o feito dos anos anteriores que contou com a presença maciça das mães que estiveram na quadra da escola Alice Silveira Lima. Durante a apresentação foram sorteados centenas de prêmios entre os quais fogões, geladeiras, utensílios domésticos, duas motos Pop 0 km, vários eletrodoméstico e cesta de cosméticos. O prefeito Wagne Machado juntamente com a secretaria Deusania e todo sua equipe estão de parabéns por mais essa ação que movimentou toda a cidade em homenagem as mães que tanto merecem o carinho de todos.

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Governo anuncia R$ 202,8 bilhões para Plano Agrícola 2016/2017

Números foram anunciados pelo governo federal nesta quarta-feira (4).
Valor representa alta de 8% (R$ 15,18 bilhões) frente ao plano anterior.


O governo federal anunciou nesta quarta-feira (4), durante cerimônia no Palácio do Planalto, a liberação de R$ 202,88 bilhões em crédito para o Plano Agrícola e Pecuário do período 2016/2017, linha de financiamento destinada ao médio e grande produtor.
O valor é cerca de 8% - ou R$ 15,18 bilhões - superior ao da safra passada, quando foram liberados R$ 187,7 bilhões aos produtores rurais. A liberação dos recursos deste plano agrícola começa em julho próximo e segue até junho do ano que vem.
O governo informou que os juros foram ajustados para não comprometer a capacidade de pagamento do produtor, com taxas que variam de 8,5% a 12,7% ao ano.
Nos últimos cinco anos, de acordo com o Ministério da Agricultura, a oferta de crédito agrícola avançou 89% - na safra 2011/2012 foram R$ 107,2 bilhões.


Série de anúncios
Na terça (3), o governo já havia anunciado aliberação de R$ 30 bilhões para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2016-2017, linha de financiamento com juros mais baixos destinada a pequenos agricultores - que usam a mão-de-obra "familiar", possuem a DAP (Declaração de Aptidão ao Pronaf) e faturam até R$ 300 mil por ano.
O total de recursos previsto para o novo Plano Safra equivale ao valor pedido a Dilma na semana passada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) e supera os R$ 28,9 bilhões do plano do ano passado.

STF decide por unanimidade por afastamento de Eduardo Cunha

Por Unanimidade o Supremo Tribunal Federal decidiu nesta quinta feira afastar o agora ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha. O posicionamento da corte matém a decisão do Ministro Teori Zavascki que determinou o afastamento do paramentar. 
O afastamento se deu por conta de um pedido feito pela Procuradoria Geral de Rapublica (PGR) em dezembro do ano passado por entender que Cunha se utilizava do cargo de Presidente para tentar obstruir investigações contra ele realizada pela lava jato, bem como no conselho de ética onde pesa contra si um processo de cassação de mandato por quebra de decoro parlamentar.

BENEFICIOS
Segundo a secretaria da casa, Cunha não perderá beneficios, podendo ainda usufruir do miúdo salário de R$ 33.000,00 da verba de gabinete de R$ 90.000,00 além de continuar com foro privilegiado, auxilio moradia com apartamento funcional e cota parlamentar(despesas aéreas, telefone, despesas com viagens de carro entre outros).

DILMA IANAUGURA USINA DE BELO MONTE

A usina terá carga suficiente para atender 60 milhões de pessoas em 17 Estados, 40 % do consumo residencial de todo o País
A presidenta Dilma Rousseff inaugurou, nesta quinta-feira (5), a usina hidrelétrica de Belo Monte, localizada no município de Altamira, sudoeste do Pará. Construída no rio Xingu, a usina é a maior hidrelétrica 100% nacional e a terceira maior do mundo. Com capacidade instalada de 11.233,1 megawatts (MW). Isso significa carga suficiente para atender 60 milhões de pessoas em 17 Estados, o que representa cerca de 40% do consumo residencial de todo o País.
Duas turbinas já começaram a gerar energia comercialmente desde abril, uma na Casa de Força Principal, no Sítio Belo Monte, e a outra, na Casa de Força Complementar, no Sítio Pimental. Juntas, adicionam 649,9 MW ao Sistema Interligado Nacional (SIN), operação também autorizada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).
A usina de Belo Monte foi leiloada, em 2010, por R$ 25,8 bilhões para a empresa Norte Energia S.A., responsável pela construção e operação da hidrelétrica. Segundo informações da empresa, as obras civis do empreendimento estão praticamente concluídas e a previsão é que a cada dois meses, em média, seja ativada uma nova turbina até o pleno funcionamento da hidrelétrica, em 2019.
A construção de Belo Monte atende aos interesses do governo brasileiro de produzir energia limpa, renovável e sustentável para assegurar o desenvolvimento econômico e social do País. Os primeiros estudos começaram na década de 1970 e, desde então, o projeto original sofreu várias modificações para que fossem reduzidos os impactos ambientais da usina.
Através da interligação dos reservatórios por um canal, o chamado modelo de usina a fio d’água permitiu que Belo Monte ocupasse uma área 60% menor do que a prevista no projeto original. A mudança garantiu que nenhuma aldeia indígena próxima ao empreendimento fosse inundada e a hidrologia do rio Xingu, preservada. A piracema também não comprometida, graças a colocação de escadas de peixes que preservam o equilíbrio da fauna aquática do Rio Xingu.
Responsabilidade socioambiental
Cerca de 14% do total do orçamento de Belo Monte, cerca de R$ 4 bilhões, foram investidos em melhorias em 12 municípios da área de influência da usina. Entre essas ações, estão a instalação da rede de saneamento básico de Altamira, construção de escolas e unidades de saúde, melhora da qualidade da água e dos igarapés da cidade e na transferência de mais de 30 mil pessoas dessas áreas de risco para cinco novos bairros construídos pela Norte Energia.
Para preservar a floresta às margens do Rio Xingu, a empresa comprou 26 mil hectares em uma faixa contínua, onde a vegetação está sendo enriquecida com espécies nativas. Como compensação ambiental pelo empreendimento, foram repassados R$ 135 milhões ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) para criar ou regularizar unidades de conservação ambiental.
Valorização dos povos indígenas
Além de garantir que nenhuma comunidade indígena seja realocada, a usina é o primeiro empreendimento hidrelétrico com ações voltadas em benefício das aldeias do entorno da obra. Com acompanhamento da Fundação Nacional do Índio (Funai), projetos sociais vêm garantindo a segurança territorial, alimentar e ambiental aos povos tradicionais do Médio Xingu. Foram mais de R$ 260 milhões em investimentos de 2010, início do projeto, a 2016, com ações que beneficiam 3,5 mil indígenas de nove etnias, em 11 terras indígenas do médio Xingu.
Geração de empregos

A construção da usina gerou, no pico das obras, cerca de 20 mil empregos diretos, e 40 mil empregos indiretos na região. O efeito indireto sobre a economia também foi significativo, com o aumento na demanda por trabalhos relacionados, serviços e insumos, o que dinamizou a estrutura produtiva das comunidades próximas à hidroelétrica.

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Geraldo Alckmin cometeu pedalada de R$ 332,7 milhões contra o metrô paulista

A advogada Janaina Paschoal, autora do pedido de impeachment em vias de apear a presidente Dilma Rousseff da presidência, já pode, pelo mesmo motivo, pedir o impeachment do governador de S. Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB).
No caso de Alckmin é menos trabalhoso o processo, pois ele é réu confesso de uma contumaz pedalada que, até 2014, totalizava R$ 332,7 milhões.
É que o governo de Alckmin, desde 2011, tomava a verba da tarifa do metrô paulista, uma estatal, para pagar obrigações contratuais com uma operadora privada de metrô e jamais devolveu o valor indevidamente alcançando, o que constitui dois crimes:
1. Fiscal, por “emprestar” dinheiro da Companhia do Metropolitano de São Paulo (CMSP), estatal paulista que opera a maior parte das linhas do metrô da cidade de São Paulo, sem que tal operação de “empréstimo” fosse possível jurídica e legalmente e sem jamais ter declaro isso nas prestações de contas anuais do estado. O esquema foi o mesmo usado pela presidente Dilma Rousseff, quando o governo não repassava aos bancos que operavam despesas do governo, o valor necessário para cobrir os desembolsos. As chamadas pedaladas fiscais.
2. Desvio de finalidade da tarifa, por usar o recurso arrecadado pelo metrô, através das tarifas cobradas dos usuários, para finalidade diversa da natureza jurídica da tarifa, que é custear e manter o serviço prestado.
A desfaçatez da tunga foi tamanha que o governo Alckmin reconheceu a dívida com a CMSP, em acordo firmado em outubro de 2015, agora desvelado, não sei porque cargas d’água, pela Folha de S. Paulo. Ou seja, os crimes estão confessos.
Mas a bolinagem não para por aí: após reconhecer a dívida de R$ 332,7 milhões, o governo Alckmin iniciou uma “negociação” com a CMSP para obter o perdão da estatal à tunga.
E como a CMSP é uma estatal, com 96% do seu capital pertencente ao governo de São Paulo, a presidência, a diretoria, o conselho et caterva, são nomeados por intervenção direta do governador, então, obviamente, a CMSP perdoou ao estado de São Paulo a dívida e lançou os R$ 332,7 milhões no seu balanço como prejuízo.
Questionada, a Secretaria de Transportes Metropolitanos de S. Paulo, a quem a CMSP é vinculada, declarou que toda a engenharia do venha a nós "tem características unicamente contábeis e não acarretará em danos ou perdas nos serviços prestados aos usuários".
As pedaladas fiscais de Dilma Rousseff também tinham características unicamente contábeis e destinavam-se a pagar programas sociais do governo.
A diferença entre as pedaladas de Dilma e de Alckmin, é que, no caso de Dilma Rousseff os bancos não perdoaram as dívidas do governo, que os pagou no exercício seguinte. E no caso de Dilma houve danos e perdas: para Dilma Rousseff.
A propósito, o tucanato é useiro e vezeiro em bolinar o metrô. Não nos esqueçamos do Propinoduto Tucano, cujos desvios chegam, em valores históricos, a R$ 1 bilhão.
É por essas e outras que eu, como já disse, morro de inveja dos tucanos: eles pintam, bordam e fazem tricô, serelepes e faceiros…

Fonte: Parsifal5.7

quarta-feira, 4 de maio de 2016

EMATER INCENTIVA A CULTURA DO ABACAXI

Próximo a completar um ano da entrega simbólica da chave de um caminhão Acello 815/44 Mercedes Benz, no valor de R$ 149.129,00 (cento e quarenta nove mil e cento vinte nove reais), em noite memorável na Expoama, a equipe do escritório de Marabá da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), em conjunto com a gerente Leila Micherle e a agrônoma Sheila Patrícia Gomes, do Banco da Amazônia – Agência Nova Marabá, visitaram no último dia 25 (segunda-feira) a propriedade da família Soares para reforçar a parceria em favor da agricultura familiar com ênfase na produção de abacaxi.
Desde 2006, a família se estabeleceu no Assentamento Belo Vale, localizado a 18 Km da sede do município de Marabá. Iniciaram as atividades com a produção e comercialização de hortaliças, mas a perspectiva da família era a cultura do abacaxi, que foi implantada naquele mesmo ano, em uma área inicial de 05 ha, atualmente a cultura ocupa 08 hectares da propriedade.
IMG_5231
Toda a produção é comercializada no mercado local, nas feiras de Marabá. Com o aumento da produção, a aquisição de um caminhão através do Pronaf Mais Alimentos, elaborado pela EMATER e contratado pelo Banco da Amazônia, foi essencial para garantir a comercialização da produção sem a necessidade de atravessadores.
A gerente da agência do Banco da Amazônia da Nova Marabá, Leila Micherle Souza pôde constatar in locu a experiência da família, e não teve dúvidas quanto à viabilidade do projeto elaborado pela EMATER para aquisição do caminhão.
E, no que depender da família, o caminhão será muito bem utilizado, pois pretendem aumentar a produção de abacaxi, limão e ponkan, que hoje juntas ocupam 12 ha e geram uma renda bruta anual de aproximadamente R$ 150.000,00 (cento e cinquenta mil reais). Além de outras culturas que completam a renda e alimentação da família, tais como o milho, a melancia e hortaliças.
O técnico em agropecuária da EMATER Richardson Mourão constatou que a experiência do Sr. Jovailton e sua família têm influenciado seus vizinhos, pois muitos já estão diversificando a produção com a implantação da cultura do abacaxi e citros. Além disso, produtores de outros municípios, como Novo Repartimento, já adquiriram mudas de abacaxi com Sr. Jovailton e estão diversificando a produção.
A socióloga Franceli Sousa Silva (EMATER) explicou: “trata-se de uma experiência inovadora, pois em uma região onde predomina a bovinocultura são raras as experiências de diversificação da produção, especialmente com fruticultura. Que tenham êxito em todas as etapas da cadeia produtiva, ou seja, desde a produção até a comercialização”.
Para o engenheiro agrônomo Weberson Rodrigues Rocha coordenador local da EMATER em Marabá “o cultivo do abacaxi fortalece a agricultura familiar no município de Marabá e também na economia local, pois produz e gera renda dentro do município, além de dispor de frutas frescas, produzidas localmente, gerando trabalho e renda”.
 Fonte: http://www.zedudu.com.br/
EMATER/PA/ Escritório Regional/ Marabá

segunda-feira, 2 de maio de 2016

CAMPANHA CONTRA A FEBRE AFTOSA VAI IMUNIZAR 21 MILHÕES CABEÇAS DE GADO

A Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará) lançou oficialmente, neste sábado (30), no Parque de Exposições José Francisco Diamantino (foto), em Marabá, a primeira etapa da Campanha Estadual de Vacinação contra a Febre Aftosa, que começa neste domingo (1) e vai até o dia 31 de maio.
Evento reuniu cerca de 200 produtores rurais da região sul e sudeste do Estado.
Quase 21 milhões cabeças de gado deverão ser imunizadas, em 108.746 propriedades, espalhadas em 127 municípios paraenses.
O produtor é o responsável pela vacinação e tem até o dia 15 de junho para fazer a comunicação da vacina nos escritórios da Agência.
Servidores do órgão lotados por todo o Pará estarão envolvidos e acompanharão o trabalho para garantir que todo o processo de vacinação atenda às metas da Agência, que é alcançar o mais alto índice vacinal.
São Félix do Xingu – 2.224.509 milhões de cabeças de gado/5.276 propriedades
Marabá – 1.105.403 milhão de cabeças de gado/4.623 propriedades
Novo Repartimento – 959.166 cabeças de gado/5.673 propriedades
Piçarra - 369.184 cabeças de gado/1409 propriedades

A Adepará realiza cinco campanhas contra a febre aftosa ao longo do ano:
15 de março a 30 de abril – etapa de vacinação das Zonas de Proteção de Faro e Terra Santa.
1 a 31 de maio – campanha estadual de vacinação/maio 2016.
15 de julho a 30 de agosto – etapa de vacinação das Zonas de Proteção de Faro e Terra Santa.
15 de agosto a 30 de setembro – etapa de vacinação da Ilha do Marajó (etapa única, em função das condições geoclimáticas).
1 a 30 de novembro – campanha estadual de vacinação/novembro 2016.
Fonte: ADEPARÁ/Escritório local de Piçarra
blog do hiroshi borgea: http://www.hiroshibogea.com.br/