quinta-feira, 25 de agosto de 2016

CURIOSIDADES DOS CANDIDATOS A PREFEITO NO PARÁ



O Pará conta hoje com 144 municípios. Nas eleições municipais que se realizarão no dia 02 de outubro próximo, segundo o Tribunal Regional Eleitoral, foram registradas 540 candidaturas a prefeito. Conheça o perfil dos candidatos a prefeito:
  • Gênero
    – 461 são homens
    –   79 são mulheres
  • Idade
    – 45/49 anos (109);  50/54 anos (90);  40/44 anos (85);  35/19 anos (59)
    – A candidata mais jovem é Jéssica Porto (DEM), 21 anos, de Vigia;
    – O candidato mais velho é Domingos Juvenil (PMDB), 74 anos, de Altamira.
  • Grau de instrução
    - Superior completo – 243
    – Ensino médio completo – 162
    – Ensino fundamental incompleto – 44
    – Ensino fundamental completo – 40
  • Ocupação
    – Comerciante (31)
    – Médico (22)
    – Advogado (17)
    – Engenheiro (11)
    – Administrador (10)
  • Cor/Raça
    - Parda – 330
    – Branca - 169
    – Preta – 35
    – Amarela –  05
    – Indígena – 01
  • Estado civil
    – Casado (a) – 346
    – Solteiro (a) –  140
    – Divorciado (a) – 42
    – Viúvo (a) – 11
    – Separado (a) – 02
  •  Reeleição
    – Em 89 dos 144 municípios paraenses os atuais prefeitos são candidatos à reeleição
    – O partido que mais lançou candidatos a reeleição no Pará foi o PSDB (26), seguido de PMDB (20), PT e PSC (07), PSD e PR (06),  DEM e PSB (04), PTB e PSB (03), PDT (02) e PMN (01)
  • Patrimônio
    – 49 candidatos não declararam ter patrimônio algum
    – Iavé, do PMDB, candidato a prefeito de Redenção foi quem declarou o maior patrimônio, R$36.108.810,43
    – Professor Francisco, candidato a prefeito de Marituba foi quem declarou o menor patrimônio, R$7,67
  • Disputa direta
    – Em 23 municípios a disputa será apenas entre dois candidatos
    – Em Almerim, a disputa será entre duas mulheres
    – Em sete municípios a disputa se dará entre um homem e uma mulher
    – Em Mocajuba, três dos cinco candidatos são mulheres
    – Em Nova Esperança do Piriá, o candidato Valcirlei, do PR, não registrou vice-prefeito em sua chapa

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Lula não é dono de triplex do Guarujá e agora PF investiga a Globo



As Organizações Globo, proprietárias de um grupo de emissoras de rádio, canais de TV, jornais e revistas, em todo o país, pressionavam as autoridades com uma exposição massiva e diária do caso
Por Redação – de Guarulhos (SP), Santos (SP) e São Paulo
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estava reunido com a direção nacional da Centra Única dos Trabalhadores (CUT), na noite desta quinta-feira, com dirigentes sindicais de todo o país, quando soube que a Polícia Federal (PF), em relatório final sobre as investigações sobre um apartamento triplex, no Guarujá, cuja propriedade fora atribuída ao líder petista. Uma decisão do juiz Sergio Moro, titular da Vara Federal do Paraná, chegou quase a determinar o sequestro de Lula, impedido por ordem do Comando da Aeronáutica de ser levado em um avião da PF para Curitiba, no início deste ano.
As Organizações Globo, proprietária de um grupo de emissoras de rádio, canais de TV, jornais e revistas, em todo o país, pressionavam as autoridades com uma exposição massiva e diária do caso. A notícia de que Lula não tem qualquer ligação com o imóvel investigado, no entanto, foi levada ao rodapé das publicações e nenhuma nota nos noticiários televisivos. O apartamento, na realidade, pertence à publicitária Nelci Warken.
Warken foi indiciada após admitir ser dona do triplex, alvo de investigação da fase Triplo X, da Operação Lava Jato. O relatório concluído foi entregue pela PF à Justiça na última sexta-feira, mas divulgado pelo juiz Moro somente na noite desta quinta-feira. Além de Warken, foram indiciados cinco funcionários da empresa Mossack Fonseca no Brasil: Maria Mercedes Riaño, Luis Fernando hernandez, Rodrigo Andrés Cuesta Hernandez, Ricardo Honório neto e Renata Pereira Britto, além do empresário Ademir Auada, intermediário de negócios para a empresa. Lula e seus parentes também não receberam, até agora, um pedido de desculpas, formal, por parte da Justiça e das Organizações Globo.
Mansão da Globo
No relatório de cinco páginas, a PF descreve a Mossack Fonseca como uma “organização criminosa de caráter transnacional, estruturalmente ordenada e caracterizada pela divisão de tarefas, voltada para a prática do crime de lavagem de dinheiro”. A Mossack Fonseca tornou-se conhecida no Brasil após a divulgação da série jornalística Panama Papers, em abril deste ano, por um grupo de jornalistas independentes. A série baseou-se em um acervo de 11,5 milhões de documentos internos da Mossack, obtido pelo jornal alemão “Süddeutsche Zeitung” e compartilhado com o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ).